últimas notícias








Notícias

1 25/03/2020 16:40

Os testes prometidos pelo Ministério da Saúde para uma detecção rápida da Covid-19 ainda precisarão ser testados, validados e aprovados por dois painéis distintos de especialistas, um da Universidade de São Paulo (USP) e outro da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), através do Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS).

Esta fase de análise do material deve durar pelo menos até o dia 10 de abril.

De acordo com o vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde da Fiocruz, Marco Aurelio Krieger, já foram negociadas as compras de 3 milhões de testes rápidos de uma empresa da China, 1 milhão de outra dos Estados Unidos e mais 1 milhão de uma fabricante da Coreia do Sul. A informação foi repassada ao jornal OGlobo.

O teste é considerado “rápido” porque, depois de aplicado, dá resultado em 15 minutos. Ele pode ter grande serventia para pesquisas epidemiológicas, mas pouca utilidade na linha de frente do atendimento a doentes. Isso porque o teste detecta quem teve a Covid-19, mas não necessariamente quem a tem no momento do exame.

Agência Brasil

Rua Tiradentes, 30 – 4-º Andar – Edf. São Francisco – Centro - Santo Antônio de Jesus/BA. CEP: 44.571-115
Tel.: (75) 3631-2677 - A Força da Comunicação.
© 2010 - RBR Notícias - Todos os direitos reservados.