últimas notícias








Notícias

1 17/03/2019 09:23

Levi Vasconcelos*

Maragojipe, um dos mais pujantes municípios baianos na época do Brasil-Colônia, vive intensa expectativa com a possibilidade da volta à ativa do Estaleiro Enseada do Paraguaçu, da Odebrecht e da japonesa Kawasaki, fechado em 2013 no rastro da Lava Jato.

O fechamento em 2013 espalhou uma história de horror e dor. A prefeitura perdeu mais de R$ 5 milhões de receita, empobreceu. Hotéis e pousadas novinhos, em São Roque do Paraguaçu, onde fica o estaleiro, e na vizinha cidade de Salinas da Margarida, viraram ruínas. Mas o pior, segundo o ex-prefeito Sílvio Ataliba, é o rescaldo no lado social. O tráfico de drogas tomou a cena, e o resultado é uma carnificina:

– De 2013 até outubro do ano passado, quando aconteceu o último crime, 203 jovens, a maioria abaixo de 19 anos, morreram assassinados. E não foram assassinatos comuns, dizer que houve uma briga. Foi sempre tiro na testa.

Esperança — É por conta disso que o clima em Maragojipe com a licitação que a Marinha vai realizar na próxima quinta-feira para a construção de sete navios se divide entre a euforia e a expectativa. Segundo Sílvio, caso a Odebrecht vença, como todos torcem, o Enseada vai voltar a operar com apenas 25% da sua capacidade:

– Mas é bem melhor. Pelo menos há a esperança de sairmos do cenário de horror. *Colunista A Tarde

Rua Tiradentes, 30 – 4-º Andar – Edf. São Francisco – Centro - Santo Antônio de Jesus/BA. CEP: 44.571-115
Tel.: (75) 3631-2677 - A Força da Comunicação.
© 2010 - RBR Notícias - Todos os direitos reservados.